Acessibilidade
Procurar

SNAQ

Comunicados

O chico espertismo (+)

O Direito é Nosso (+)

Aos Congressistas da UIC (+)

Comunicado REFER (+)

Comunicado à população de 9 de Outubro de 2014 (+)

Ferrovia em Portugal Retrocesso 1988-2012 (+)

Comunicado à população sobre "Borlas nos transportes" (+)

Notícias

Quebra do petróleo e turismo seguram saldo comercial (+)

Infrestruturas de Portugal limpam Linha da Beira Alta (+)

CP agrava prejuízos para 118,6 milhões de euros (+)

Tribunal de Contas aponta «falhas relevantes» na execução orçamental (+)

Outras Notícias (+)

Informação

Você está aqui: Inicío
Sábado, 19 Out 2019

Nem todos os swaps são especulativos

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

Os swaps (palavra que em inglês significa troca) são contratos que servem para proteger financiamentos e, por isso, são considerados produtos de cobertura de risco. O facto de terem começado a invadir as empresas do Estado a partir de 2003 está relacionado com os receios que existiam, na altura, de que as taxas de juro disparassem, o que se traduziria num aumento significativo dos custos financeiros. Estes contratos permitem trocar taxas variáveis por fixas. Em teoria, num cenário de subida de taxas, os swaps protegem o cliente, compensando-o do aumento dos juros. Mas, num cenário de descida das taxas, o contrato protege a instituição financeira, já que é o cliente que paga a diferença entre a taxa fixada e a real. Logo à partida, um dos problemas que se colocam é o facto de serem apontados desequilíbrios entre os reduzidos ganhos em caso de subida das taxas e as perdas elevadíssimas em que as empresas incorrem quando se dá uma descida, sobretudo se for tão acentuada quanto a que se verificou nos últimos anos. Mas, no caso das seis empresas públicas identificadas pelo IGCP, os riscos associados a alguns dos produtos que contratualizaram são muito maiores porque, apesar de serem swaps, trata-se de instrumentos de especulação. Tal como o PÚBLICO avançou ontem, alguns destes contratos são muito complexos, estando dependentes de variáveis como a evolução da cotação do petróleo ou a variação do euro face ao dólar. Há casos em que acabaram por levar as taxas de juro para 20%, quando a Euribor a três meses (geralmente tida como referência nestes contratos) está actualmente em 0,2%.

In Público de 24 de Abril de 2013